Permanência, nacionalidade e residência do procurado como causa de não execução facultativa do Mandado de Detenção Europeu: o caso português

Jorge Bheron Rocha

Resumo


Objetiva-se neste artigo estudar a causa de não execução facultativa do Mandado de Detenção Europeu (MDE) na hipótese de o procurado se encontrar no território do qual é nacional ou onde é residente, em especial o tratamento dado pelo Estado Português a estes casos. A pesquisa reveste-se de importância em razão de o MDE ser um instrumento surgido na esteira do mandado de detenção do Tribunal Penal Internacional, contrapondo-se às desvantagens da extradição, buscando a simplificação e a celeridade em face das dificuldades práticas da persecução penal ante a livre movimentação no território europeu de pessoas. Utilizam-se como fontes de análise as Decisões-Quadro do Conselho da União Europeia, a legislação portuguesa pertinente e a jurisprudência dos Tribunais portugueses e do Tribunal de Justiça da União Europeia. Serão analisados os requisitos objetivos e subjetivos, os limites da facultatividade, os contornos do compromisso assumido em decorrência da recusa, a necessidade de eventual adaptação da pena frente ao aparente conflito entre sua imutabilidade e a reserva de soberania do Estado Português, e a relação do instituto com o princípio do reconhecimento mútuo, convertido em pedra angular da cooperação judiciária, dentro do espaço único europeu de justiça, segurança e liberdade.


Palavras-chave


Mandado de Detenção Europeu; Causa de Recusa Facultativa; Portugal; Jurisprudência. Princípio do Reconhecimento Mútuo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR-BRANCO, José Pedro. Liberdade de circulação e circulação de liberdade – Inclusão, diversidade e criminalidade na União Europeia. Disponível em: . Acesso em: 28 de fevereiro de 2019.

ALEGRE, Susie; LEAF, Marisa. Mutual Recognition in European Judicial Cooperation: A Step Too Far Too Soon? Case Study - the European Arrest Warrant. European Law Journal, v. 10, n. 2, p. 200-217, mar. 2004.

CABRAL, Pedro. In Bitter Sweet Symphony: Em torno da validade da Decisão-quadro 2002/584/JAI relativa ao mandado de detenção europeu. Revista da Ordem dos Advogados, Lisboa,p. 245-265, ano 69. 2009.

CAEIRO, Pedro. Cooperação judiciária na União Europeia. In: COSTA, José Faria; SILVA, Marco Antonio Marques (coord.). Direito Penal Especial, Processo Penal e Direitos Fundamentais. Visão Luso-Brasileira. São Paulo: Quartier Latin. 2006, p. 439–453.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Constituição da República Portuguesa Anotada. 4 ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2007.

CARINI, Camillo. L'Introduzione del Mandato d'Arresto Europeo in Italia e la Tutela del Diritti Individuali: a Proposito delle Disposizioni Intriduttive della Legge Italiana di Attuazione della Decisione Quadro 2002/584/GAI. Dereito, v. 18, n. 1, p. 33-85, 2009.

DEEN-RACSMÁNY, Zsuzsanna; BLEKXTOON, Rob. The Decline of the Nationality Exception in European Extradition? The Impact of the Regulation of (Non-) Surrender of Nationals and Dual Criminality under the European Arrest Warrant. European Journal of Crime, Criminal Law and Criminal Justice, v. 13/3, p. 317-363, 2005.

FREISS, Kintxo. Les Incertitudes Relatives au Mandat d'Arrêt Européen à la Lumière de l'Affaire Aurore Martin. Reyue québécoise de droit international, n. 28.1, 2015.

GARCÍA-MALTRÁS, Elsa. Judicial cooperation in criminal matters and fight against terrorism: the Council Framework Decisions on combating terrorism and the European Arrest Warrant. Revista do Centro de Informação Europeia Jacques Delors, Lisboa, n. 16/17, p. 155-163, dez./jun. 2005.

JANUÁRIO, Túlio Felippe Xavier. Do princípio da proporcionalidade e sua aplicação no mandado de detenção europeu. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 435-472, jan./abr. 2018. http://dx.doi.org/10.22197/rbdpp.v4i1.114

MANCANO, Leandro. The right to liberty in European Union law and mutual recognition in criminal matters. Cambridge Yearbook of European Legal Studies, v. 18, p. 215-238, 2016. http://doi.org/10.1017/cel.2016.8

RODRIGUES, Anabela Miranda. O Mandado de Detenção europeu – Na via a Construção de um sistema penal europeu: um passo ou um salto? Revista Portuguesa de Ciência Criminal, Coimbra, n. 1, ano 13, 2003.

RODRIGUES, Anabela Miranda; LOPES DA MOTA, José Luís. Para uma Política Criminal Europeia. Coimbra: Coimbra Editora, 2002.

MIRANDA RODRIGUES, Anabela. A determinação da medida da pena privativa de liberdade : os critérios da culpa e da prevenção. Coimbra: Coimbra Editora, 2014.

ROSA PAIS, Ana Isabel. A Ausência de Controlo da Dupla Incriminação no Âmbito da Decisão-quadro Relativa ao Mandado de Detenção Europeu. Breve Anotação ao Acórdão do Tribunal de Justiça de Maio de 2007. Boletim da Faculdade de Direito,Coimbra, Stvdia Iuridica 98 Ad Honorem – 5, 2009.

ROXIN, Claus. Derecho Penal. Parte General. Tomo I. Fundamentos. La Estructura de la Teoria del Delito. Tradução e notas de Diego Manuel Luzón Peña, Miguel Diaz e Garcia Conlledo, Javier de Vicente Remesal. Civitas, 1997.

SOKOL, Tomislay. Implementation of European Arrest Warrant in Croatia: A Risç for the Functioning of Judicial Cooperation in Criminal Matters in the EU? European Journal of Crime, Criminal Law and Criminal Justice, n. 23, p. 258-280, 2015. 10.1163/15718174-23032071.

SOLTOSKI JUNIOR, Mario Elias. O Controlo da Dupla Incriminação e o Mandado de Detenção. Revista Portuguesa de Ciências Criminais, Lisboa, n. 16, 2006.

THOUVENIN, Jean-Marc. Le principe de non-extradition des nationaux. In S. TOUZE. La nationalité, SFDI, Pedone, 2012. p. 127-144.

VALENTE, Manuel Monteiro Guedes. Do Mandado de Detenção Europeu. Coimbra: Editora Almedina. 2006.

ZAMBIASI, Vinícius Wildner; KLEE, Paloma Marita Cavol. A (possibilidade de) não execução do mandado de detenção europeu fundamentada no tratamento ou pena cruel ou degradante. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 845-886, mai./ago. 2018. http://dx.doi.org/10.22197/rbdpp.v4i2




DOI: https://doi.org/10.22197/rbdpp.v5i2.230

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Jorge Bheron Rocha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________

Revista Brasileira de Direito Processual Penal (RBDPP)

  

e-ISSN: 2525-510X - Clique aqui para metadados em OAI-PMH

   

Em parceria com | Partnership with:

Certificada e avaliada em:

SciRev     

Indexações, catálogos e diretórios | Data bases, catalogues and indexes: (ver lista completa/click here for the full list)

                                        

SCImago Journal & Country Rank