A implementação da Procuradoria Europeia – a emergência de um modelo de intervenção penal entre a cooperação e a integração penal?

Margarida Santos

Resumo


A intervenção penal da União Europeia tem sido marcada por um movimento de expansão, de intensificação “acelerada” e de proliferação de instrumentos jurídicos, sobretudo a partir do Tratado de Lisboa, acentuando as lógicas do reconhecimento mútuo, da cooperação e da harmonização. A União Europeia está a um passo de dar início a um exercício transnacional da ação penal, através da publicação do Regulamento (UE) 2017/1939 do Conselho, de 12 de outubro de 2017, que dá execução a uma cooperação reforçada para a instituição da Procuradoria Europeia. Partindo da evolução e das metamorfoses sentidas na intervenção penal na União Europeia, sobretudo a partir do Tratado de Lisboa, que se pretendem dar conta num primeiro momento, pretende-se no presente trabalho sobretudo compreender o sentido e o alcance do Regulamento da Procuradoria Europeia, captando o novo modelo de intervenção penal que se perfilha no horizonte. Estaremos a um passo da integração penal, ou a materialização da Procuradoria Europeia dá apenas mais um passo neste caminho? Qual o seu contributo para um verdadeiro sistema de justiça penal? E neste caminho, deve a Procuradoria Europeia ver o seu âmbito alargado a determinados “crimes graves com dimensão transfronteiriça”?


Palavras-chave


Intervenção penal da União Europeia; Regulamento da Procuradoria Europeia; novo modelo de intervenção penal.

Texto completo:

PDF

Referências


ASP, Petter et. al. Manifiesto sobre la política criminal europea, 2009. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

BECK, Ulrich, Risikogesellschaft. Auf dem Weg in eine andere Moderne. Frankfurt a.M.: Suhrkamp, 1986.

CSONKA, Peter. General presentation of the proposal and main issues: the state of negotiations, solutions reached and main issues to be resolved, In: SANTOS, Margarida, MONTE, Mário Ferreira e MONTEIRO, Fernando Conde (coord.). Os novos desafios da cooperação judiciária e policial na União Europeia e da implementação da Procuradoria Europeia. Braga: Centro de Investigação Interdisciplinar em Direitos Humanos/Escola de Direito da Universidade do Minho, Braga, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

DELMAS-MARTY, Mireille. Les contradictions du droit pénal. Revue de science criminelle et de droit pénal comparé, n.º 1, 2000.

MITSILEGAS, VALSAMIS. EU Criminal Law. Oxford: Hart Publishing, 2009.

CAEIRO, Pedro (ed.). European Criminal Law in the Global Context: Values, Principles and Policies, Special issue of the New Journal of European Criminal Law, março 2019. https://doi.org/10.1177/2032284419836519.

CAEIRO, Pedro, FIDALGO, Sónia e RODRIGUES, João Prata.The evolving notion of mutual recognition in the CJEU’s case law on detention. Maastricht Journal of European and Comparative Law, Vol. 25, n.º 6, 2019. https://doi.org/10.1177/1023263X18822787

CAEIRO, Pedro (org.). Proceedings of the conference European criminal law in the global context: values, principles and policies. Coimbra: Coimbra: Instituto Jurídico/ Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 2017. Disponível em https://www.ij.fd.uc.pt/publicacoes/coloquios/ECLAN_2017.pdf

CAEIRO, Pedro. Reaction to “European Criminal Justice in the global context: challenges and perspectives”. In: CAEIRO, Pedro (org.). Proceedings of the conference European criminal law in the global context: values, principles and policies. Coimbra: Instituto Jurídico/ Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

CAEIRO, Pedro. Reconhecimento mútuo, harmonização e confiança mútua (primeiro esboço de uma revisão). In: SANTOS, Margarida, MONTE, Mário Ferreira e MONTEIRO, Fernando Conde (coord.). Os novos desafios da cooperação judiciária e policial na União Europeia e da implementação da Procuradoria Europeia. Braga: Centro de Investigação Interdisciplinar em Direitos Humanos/Escola de Direito da Universidade do Minho, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

CAEIRO, Pedro. Introdução (ou de como todo o processo penal começa com uma constituição de direitos). In: CAEIRO, Pedro (org.). A Agenda da União Europeia sobre os Direitos e Garantias da Defesa em Processo Penal: a “segunda vaga” e o seu previsível impacto sobre o direito português. Coimbra: Instituto Jurídico/Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 2015. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

CAEIRO, Pedro. The influence of the EU on the ‘blurring’ between administrative and criminal law”. In: GALLI, Francesca, WEYEMBERGH, Anne. Do Labels still Matter? Blurring Boundaries between Administrative and Criminal Law. The Influence of the EU. Bruxelles: Ed. Univ. Bruxelles, 2014.

CAEIRO, Pedro. Fundamento, conteúdo e limites da jurisdição penal do Estado – o caso português. Coimbra: Coimbra Editora, 2010.

DELMAS-MARTY, MIREILLE, VERVAELE, J. A. E. A aplicação do Corpus Juris nos Estados-Membros. Utrecht: Intersentia, 4 Vol., 2000.

DELMAS-MARTY, MIREILLE (DIR.), Corpus Juris relativo às disposições penais para a protecção dos interesses financeiros da União Europeia. Paris: Economica, 1997.

DIAS, Jorge de Figueiredo. O direito penal entre a ‘sociedade industrial’ e a “sociedade do risco. In: Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Rogério Soares. Coimbra: Coimbra Editora, 2001.

GEELHOED, Willem, ERKELENS, Leendert Hendrik, MEIJ, Arjen (Eds.). Shifting Perspectives on the European Public Prosecutor's Office, T.M.C. The Hague: Asser Press, 2018.

LIGETI, Katalin. Approximation of substantive criminal and the establishment of the European Public Prosecutor´s Office. In GALLI, Francesca, WEYEMBERG, Anne (Ed.). Approximation of substantive criminal law in the EU – The way forward. Belgium: Editions de l´Université de Bruxelles, 2013.

MARLETTA, Angelo. The material competence of the European Public Prosecutor’s Office (EPPO) and the PIF Directive. In: SANTOS, Margarida, MONTE, Mário Ferreira e MONTEIRO, Fernando Conde (coord.). Os novos desafios da cooperação judiciária e policial na União Europeia e da implementação da Procuradoria Europeia. Braga: Centro de Investigação Interdisciplinar em Direitos Humanos/Escola de Direito da Universidade do Minho, Braga, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

MENDES, Paulo de Sousa. Comentário ao art.º 325º.º. In: PORTO, Manuel Lopes, ANASTÁCIO, Gonçalo (coord.), Tratado de Lisboa Anotado e Comentado. Coimbra: Almedina, 2012.

MITSILEGAS, VALSAMIS, BERGSTRÖM, Maria, KONSTADINIDES, Theodore (ed.). Research handbook on EU Criminal Law, Cheltenham, UK, Northampton, MA, USA: Edward Elgar, 2016. https://doi.org/10.4337/9781783473311.

MONTE, Mário Ferreira. O Direito Penal Europeu de “Roma” a “Lisboa” – Subsídios Para a Sua Legitimação. Lisboa: Quid Juris Sociedade Editora, 2009.

MONTE, Mário Ferreira. O sistema judicial europeu e o controlo jurisdicional em matéria penal: reflexões em torno do direito vigente e do Tratado de Lisboa. In: ANDRADE, Manuel da Costa, ANTUNES, Maria João, SOUSA, Susana Aires de (org.). Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Jorge de Figueiredo Dias, Vol. I. Coimbra: Coimbra Editora, 2009.

MORALES ROMERO, Marta Muñoz de. El legislador penal Europeo: legitimidad y racionalidad. Madrid: Editorial Civitas, S.A., 2011.

RODRIGUES, Anabela Miranda. Direito Penal Económico: uma política criminal na era compliance. Coimbra: Almedina, 2019.

RODRIGUES, Anabela Miranda. O Direito Penal europeu à luz do princípio da necessidade – o caso do abuso do mercado. Católica Law Review, Volume I, n.º3, nov. 2017.

RODRIGUES, Anabela Miranda, Direito penal europeu pós-Lisboa - um direito penal funcionalista?.In: SANTOS, Margarida, MONTE, Mário Ferreira e MONTEIRO , Fernando Conde (coord.). Os novos desafios da cooperação judiciária e policial na União Europeia e da implementação da Procuradoria Europeia. Braga: Centro de Investigação Interdisciplinar em Direitos Humanos/Escola de Direito da Universidade do Minho, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019 (artigo igualmente publicado na Revista de Legislação e Jurisprudência, Ano 146º, nº 4004, Julho-Agosto, 2017).

RODRIGUES, Anabela Miranda. Direito penal económico – é legítimo? é necessário? Revista Portuguesa de Ciência Criminal, Ano 26, 2016.

RODRIGUES, Anabela Miranda. O Direito penal Europeu emergente. Coimbra: Coimbra Editora, 2008.

RODRIGUES, Anabela Miranda e MOTA, José Luís Lopes da. Para uma Política Criminal Europeia. Quadro e instrumentos jurídicos da cooperação judiciária em matéria penal no espaço da União Europeia. Coimbra: Coimbra Editora, 2002.

SANTOS, Margarida. A Procuradoria Europeia, a democracia económica e a ação penal dos crimes que lesem os interesses financeiros da União Europeia. In: CARVALHO, Maria Miguel, MESSA, Ana Flávia, NOHARA, Irene Patrícia (coord.). Democracia Económica e Responsabilidade Social nas Sociedades Tecnológicas. Braga: Escola de Direito da Universidade do Minho, ebook, 2019. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

SANTOS, Margarida. O quadro legislativo (substantivo) da Procuradoria Europeia – Algumas reflexões. In: MOTA, Helena et. al. (coord.). XX Estudos Comemorativos dos 20 anos da FDUP, Vol. II. Coimbra: Almedina, 2017.

SANTOS, Margarida. The definition of the competence ratione materiae of the European Public Prosecutor’s Office and the substantive legality principle - the way forward. Portuguese Law Review, n.º 0, Vol. 1, Spring 2016. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

SANTOS, Margarida, Para um (novo) modelo de intervenção penal na União Europeia: uma reflexão a partir do princípio da legalidade como limite material de atuação da Procuradoria Europeia. Lisboa: Rei dos Livros, 2016.

SANTOS, Marina Oliveira Teixeira dos. A expansão do Direito Penal europeu frente à subsidiariedade da tutela penal: alternatividade a partir da Mediação Penal de Adultos portuguesa, Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 5, n.1, jan-abr.2019. https://doi.org/10.22197/rbdpp.v5i1.189.

SATZGER, Helmut. Is mutual recognition a viable general path for cooperation? (commented structure and conclusion-draft). In CAEIRO, Pedro (org.). Proceedings of the conference European criminal law in the global context: values, principles and policies. Coimbra: Instituto Jurídico/ Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

SICURELLA, Rosaria, Setting up a European Criminal policy for the Protection of EU Financial interests: guidelines for a coherent definition of the Material Scope of the European Public Prosecutor’s Office. In: LIGETI, katalin, (ED). Toward a Prosecutor for the European Union. Volume 1: A Comparative Analysis. Oxford: Hart Publishing, 2013.

SILVA SÁNCHEZ, Jesús-María. La expansión del Derecho Penal, Aspectos de la política criminal en las sociedades postindustriales, 2.ª ed., revista e aumentada. Madrid: Civitas, 2001.

WADE, Marianne. A European public prosecutor: potential and pitfalls. Crime Law Soc Change, mar., 2013. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

WADE, Marianne (coord.). EuroNEEDs, Evaluating the need for and the needs of a European Criminal Justice System. Max-Planck-Institute für ausländisces und internationales Strafrecht, Preliminary report, 2011. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

WEYEMBERGH, Anne. Reaction to “Transforming the ne bis in idem principle into a fundamental right in the EU”. In CAEIRO, Pedro (org.). Proceedings of the conference European criminal law in the global context: values, principles and policies. Coimbra: Instituto Jurídico/ Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

WEYEMBERGH, Anne, BRIÈRE, Chloé. Towards a European Public Prosecutor’s Office (EPPO), Study for the Libe Committee. European Parliament, 2016. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

VERVAELE, John, European Criminal Justice in the global context: challenges and perspectives. In: CAEIRO, Pedro (org.), Proceedings of the conference European criminal law in the global context: values, principles and policies, Coimbra: Instituto Jurídico/ Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 2017. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.

VERVAELE, John A. E. The material scope of competence of the European Public Prosecutor’s office: a harmonised national patchwork?. Centro Studi di Diritto Penale Europeo, 2015. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2019.




DOI: https://doi.org/10.22197/rbdpp.v5i2.240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Margarida Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________

Revista Brasileira de Direito Processual Penal (RBDPP)

e-ISSN: 2525-510X - Clique aqui para metadados em OAI-PMH

   

Em parceria com | Partnership with:

Certificada e avaliada em:

SciRev     

Indexações, catálogos e diretórios | Data bases, catalogues and indexes: (ver lista completa/click here for the full list)

                                        

SCImago Journal & Country Rank