A influência dos elementos de informação do inquérito policial na fundamentação da sentença penal condenatória: uma análise das sentenças prolatadas pelas varas criminais de Maceió/AL

André Rocha Sampaio, Marcelo Herval Macêdo Ribeiro, Amanda Assis Ferreira

Resumo


O presente artigo propõe apresentar a frequência de utilização do inquérito policial enquanto parte da fundamentação de sentenças judiciais provenientes das Varas Criminais Residuais da cidade de Maceió - Alagoas, a fim de desvelar o funcionamento inquisitório e, portanto, antidemocrático, do devido processo penal. Partindo de uma pergunta-problema de cariz empírico, qual seja, “o inquérito policial é utilizado na fundamentação de sentenças judiciais?”, foram adotadas técnicas metodológicas também empíricas: a análise de fluxo do sistema de justiça criminal e a utilização de um instrumento quali-quanti. Para tanto, o desenvolvimento da pesquisa em questão fora dividido em três principais momentos, a saber: a delimitação do objeto, a coleta de dados e, por fim, a análise dos dados coletados. Após tal investigação, restou demonstrada a efetiva utilização dos elementos informativos na fundamentação das sentenças, visto que em 80,6% dos casos, (correspondente a 369 processos) o magistrado se utilizou expressamentede algum elemento informativo produzido durante as investigações preliminares, sendo, deste total, cerca de 91% (336) dos processos referentes a sentenças condenatórias. Assim sendo, conflui-se para a confirmação dos problemas que permeiam o art. 155 do Código de Processo Penal, quando inseridos num sistema de teor essencialmente inquisitório.


Palavras-chave


Inquérito policial; sentenças; fundamentação; inquisitório; elementos de informação.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Flaviane de Barros. (Re)forma do Processo Penal: Comentários críticos dos artigos modificados pelas Leis n. 11.690/08 e n.11.900/09. 2ª. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.

CASTRO, Françoise. Foucault par luimême, 2003. Disponível em . Acesso em 26 jan. 2020.

CHOUKR, Fauzi Hassan. Garantias constitucionais na investigação criminal. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.

CHOUKR, Fauzi Hassan. Iniciação ao processo penal. Florianópolis: Empório do direito, 2017.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Observações sobre os sistemas processuais penais. Curitiba: Observatório da mentalidade inquisitória, 2018.

DIAS, Maria das Graças Leite Vilela. O sintoma: de Freud a Lacan. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 2, p. 399-405, mai./ago. 2006.

DUCLERC, Elmir. Direito Processual Penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

FERNANDES, Antonio Scarance. Teoria Geral do Procedimento e O Procedimento no Processo Penal. São Paulo: RT, 2005.

FERRUA, Paolo. Gênese da reforma constitucional do “giusto processo” na Itália. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 3, n. 2, p. 661-688, mai.-ago. 2017. http://dx.doi.org/10.22197/rbdpp.v3i2.61

GIACOMOLLI, Nereu José. A fase preliminar do processo penal: Crises, misérias e novas metodologias investigatórias. Edição. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

GLOECKNER, Ricardo. Autoritarismo e processo penal: uma genealogia das ideias autoritárias no processo penal brasileiro, vol. I. Florianópolis: TirantloBlanch, 2018.

LOPES JR., Aury. GLOECKNER, Ricardo Jacobsen. Investigação Preliminar no Processo Penal. ed. 5. São Paulo: Saraiva, 2013.

LOPES JUNIOR, Aury. Direito processual penal. 15ª ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

MALAN, Diogo Rudge. O direito ao confronto no processo penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

NICOLITT, André. Manual de processo penal. 8. ed. Belo Horizente: D"plácido, 2019.

RAMOS, Silvia; MUSUMECI, Leonarda. "Elemento suspeito". Abordagem policial e discriminação na cidade do Rio de Janeiro. Boletim Segurança e Cidadania, n. 8, novembro de 2004.

SAMPAIO, André Rocha. A onipresença processual dos atos de investigação como sintoma biopolítico. Tese (Doutorado em Ciências Criminais) – Escola de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2015.

SCHUNEMANN, Bern. O juiz como um terceiro manipulado no processo penal? Uma confirmação empírica dos efeitos perseverança e aliança. In: GRECO, Luís. Estudos de direito penal, direito processual penal e filosofia do direito. São Paulo: Marcial Pons, 2013.

TARUFFO, Michele. Ermeneutica, prova e decisione. Rev. Bras. de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 4, n. 1, p. 129-148, jan.-abr. 2018.

TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 13ª. ed., Rev. Amp. e atual. Salvador: Juspodivm, 2018.

VASCONCELLOS, Vinicius Gomes de. Fundamento e função do processo penal: a centralidade do juízo oral e sua relação com as demais fases da persecução penal para a limitação do poder punitivo. Revista Eletrônica de Direito Processual - REDP, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 229-260, ago./2018. https://doi.org/10.12957/redp.2018.31959




DOI: https://doi.org/10.22197/rbdpp.v6i1.299

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Marcelo Herval Macêdo Ribeiro, André Rocha Sampaio, Amanda Assis Ferreira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________

Revista Brasileira de Direito Processual Penal (RBDPP)

e-ISSN: 2525-510X - Clique aqui para metadados em OAI-PMH

   

Em parceria com | Partnership with:

Certificada e avaliada em:

SciRev     

Indexações, catálogos e diretórios | Data bases, catalogues and indexes: (ver lista completa/click here for the full list)

                                        

SCImago Journal & Country Rank