Soluções negociadas de justiça penal no direito português: uma realidade atual numa galáxia distante?

André Ferreira de Oliveira

Resumo


As ideias de consenso e celeridade processual enformam os Direitos processuais penais dos países democráticos cada vez com maior premência. Soluções de Justiça criminal negociada têm-se multiplicado nos anos mais recentes, colocando uma ampla gama de desafios à pura e tradicional doutrina processualista pura, aos tradicionais direitos dos intervenientes processuais, questionando-se se a profusão da criminalidade (cada vez mais) organizada e os métodos tecnológicos e transnacionais do iter criminis não alteraram o centro da dialética tensão administração eficiente da Justiça/direitos dos Arguidos. Portugal não é exceção: sem um enquadramento legislativo consagrando expressamente um sistema de colaboração premiada, mister é questionar se o Código do Processo Penal admite ou poderá admitir soluções negociadas de Justiça criminal; analisaremos algumas soluções de consensualismo legalmente consagradas, sem deixar de lado a análise da dogmática e jurisprudência lusas.


Palavras-chave


Justiça Penal negociada; Processo Penal português; Consenso.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERGARIA, Pedro. Plea Bargaining: Aproximação à Justiça Negociada nos E.U.A. Coimbra: Almedina, 2007.

ALMEIDA, Carlota Pizarro de, Diferentes versões do consenso: suspensão provisória do processo e mediação penal. Revista do CEJ, Lisboa, nº 16, p. 101-112, 2º semestre 2011.

ANDRADE, Manuel da Costa. Consenso e Oportunidade (Reflexões a propósito da suspensão provisória do processo e do processo sumaríssimo). In: O Novo Código do Processo Penal. Coimbra: Almedina, 1995.

ANDRADE, Manuel da Costa. Sobre as proibições de prova em processo penal. Coimbra: Coimbra Editora, 2013.

BRANDÃO, Nuno. Acordos sobre a Decisão Administrativa e sobre a sentença no processo contra-ordenacional. Revista Portuguesa de Ciência Criminal, Lisboa, Ano 21, nº 4, p. 593-607, out./dez. 2011.

CAEIRO, Pedro. Legalidade e oportunidade: a perseguição penal entre o mito da “justiça absoluta” e o fetiche da “gestão eficiente”. Revista Do Ministério Público, Lisboa, 84, p. 31-47, out./dez. 2000.

CORREIA, João Conde. Bloqueio judicial à suspensão provisória do processo. Porto: Universidade Católica, 2012.

COSTA, Eduardo Maia. Justiça Negociada: do logro da eficiência à degradação do processo equitativo. Julgar, Coimbra, 19, p. 87-97, jan./abr. 2013.

COSTA, José de Faria. Diversão (desjudiciarização) e mediação: que rumos? Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra, vol. LXI, p. 93-158, 1985.

DIAS, Augusto Silva, e RAMOS, Vânia Costa. O direito à não auto-inculpação (nemo Tenetur se Ipsum Accusare) no processo penal e contra-ordenacional português. Coimbra: Coimbra Editora, 2009.

DIAS, Jorge De Figueiredo. Acordos Sobre a Sentença Em Processo Penal: O "Fim" do Estado de Direito ou um Novo "Princípio"? Coimbra: Coimbra Editora, 2011.

DIAS, Jorge De Figueiredo. Direito Processual Penal I. Facsimile 1ª edição. Coimbra: Secção de textos da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 1988-9.

FIDALGO, Sónia, O processo sumaríssimo na revisão do código do processo penal. Separata da Revista do CEJ. Lisboa, 9, p. 297-319, 1º semestre 2009.

GARNER, Bryan A. (Coord.). Black’s Law Dictionary. 9ª edição, Eagan: West. 2009.

LEITE, André Lamas. Alguns claros e escuros no tema da mediação penal de adultos. Revista Portuguesa de Ciência Criminal, Coimbra, Vol. 24, 4, p. 577-513, ou./dez. 2014.

LEITE, Inês Ferreira. “Arrependido”: a colaboração processual do co-Arguido na investigação criminal. In: 2º Congresso de Investigação Criminal. Coimbra: Almedina, 2010.

MARTINHO, Helena Gaspar. O direito à não auto-incriminação no Direito da Concorrência - O diálogo jurisprudencial e o silêncio do arguido in Estudos em Homenagem ao Professor Doutor Alberto Xavier, Volume III. Coimbra: Almedina, 2013.

MELO, Helena Pereira de e BELEZA, Teresa Pizarro. A Mediação Penal em Portugal. Lisboa: Almedina, 2012.

MENDES, Paulo de Sousa. Lições de Direito Processual Penal, Coimbra: Almedina, 2015.

NARCISO, Francisco Mendonça, Papéis pintados com tinta: a aplicação da suspensão provisória do processo pelos magistrados do M.º P.º. Revista do Ministério Público, Lisboa, Ano 31, nº 123, p. 83-107, 2010.

RAUXLOH, Regina. Plea bargaining in national and International law: a comparative study. Abingdon: Rotledge, 2016.

RODRIGUES, Anabela Miranda. A celeridade no processo penal. Uma visão de direito comparado. Revista Portuguesa de Ciência Criminal, Lisboa, Volume 2, 8, p. 233-250, abr./jun. 1998.

SANTOS, Manuel Simas; LEAL-HENRIQUES, Manuel; SANTOS, João Simas. Noções de Processo Penal. Lisboa: Rei dos Livros, 2010.

SILVA, Germano Marques da. Bufos, infiltrados, provocadores e arrependidos. Direito e Justiça, Lisboa, Volume VIII, Tomo 2, p. 27-34, 1994.

SILVA, Júlio Barbosa e. Dores de crescimento: algumas dúvidas à volta do processo especial sumaríssimo e contributos para uma clarificação prática. Revista do Ministério Público. Ano 34, nº 133, p. 137-166, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.22197/rbdpp.v3i1.39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 André Ferreira de Oliveira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________

Revista Brasileira de Direito Processual Penal (RBDPP)

e-ISSN: 2525-510X

Em parceria com | Partnership with:

Indexada em | Indexed by: