Gênese da reforma constitucional do “giusto processo” na Itália

Paolo Ferrua

Resumo


Este escrito analisa o complicado cenário que, a partir da promulgação do vigente código de processo penal italiano, em 1999 resultou na reforma constitucional do “giusto processo”. Inspirado em uma lógica acusatória, o código de 1988 tinha introduzido a “regra de ouro” do contraditório na formação da prova, estabelecendo a irrelevância probatória das declarações secretamente recolhidas pelos órgãos de investigação preliminar. Mal recebidos pela maioria da magistratura, os princípios acusatórios foram suprimidos em 1992 pela “revolução inquisitória” ocasionada por três sentenças da Corte constitucional (n. 24, 254, 255). Partindo do pressuposto de que o contraditório na formação da prova viola o accertamento da verdade, a Corte constitucional demoliu a “regra de ouro”, atribuindo valor probatório a todas (ou quase) declarações unilateralmente recolhidas na investigação preliminar pelo MP ou pela polícia. De fato, o erro da Corte constitucional não foi ter colocado como finalidade do processo penal o accertamento da verdade, o que precisa ser almejado por qualquer processo que aspire a confiança dos cidadãos. Ele foi, na verdade, ter considerado que o contraditório como um obstáculo à busca da verdade, ocasionando uma infeliz oposição entre dois valores que deveriam se relacionar intimamente. Essencial para a função cognitiva do processo é, de fato, exatamente o contraditório, ou seja, o método que, como ensina a ciência, consiste em submeter as hipóteses a serem provadas às mais severas tentativas de confrontação e falsificação; enquanto, por outro lado, parece totalmente razoável desconfiar daquilo que foi formado em segredo e, especialmente, das declarações que inevitavelmente tomam primazia na influência de quem, em posição de autoridade, as tenha unilateralmente recolhido. Uma tímida e parcial tentativa de recuperação do contraditório foi posteriormente operada pela lei 267 de 1997, que negou valor probatório às anteriores declarações sobre a responsabilidade de outros coimputados que depois em juízo tenham exercido o direito ao silêncio. A lei, todavia, até mesmo em razão das suas objetivas incongruências, acaba novamente declarada ilegítima pela Corte constitucional com a sentença 361 de 1998. Dessa vez, porém, surgem, junto com a União das Câmeras penais, também as forças políticas, feridas pela censura a uma lei que pouco antes tinha sido aprovada quase que unanimemente. Rapidamente acaba aprovada a reforma constitucional do “giusto processo” (lei constitucional n. 2 de 23 de novembro de 1999), com a qual se afirma textualmente que “o processo penal é regulado pelo princípio do contraditório na formação da prova” (tradução livre, art. 111, inciso 4° Const).

Palavras-chave


Giusto processo; prova; prova declarativa; sistema acusatório; contraditório; Corte constitucional; Constituição; processo penal italiano.

Texto completo:

PDF

Referências


CHIAVARIO, La Bicamerale chiude il capitolo giustizia: ora bisogna operare con spirito costruttivo, em Guida al diritto, 1997.

CHIAVARIO, Dichiarazioni a carico e contraddittorio tra l’intervento della Consulta e i progetti di riforma costituzionale, em Legislazione Penale, 1998.

CORDERO, Franco. Ideologie del processo penale, Milano, 1966.

CORDERO, Franco. Procedura penale, Milano, 1966.

DAMAŠKA, I volti della giustizia e del potere. Analisi comparatistica del processo [1986], trad. it., prefacio de M. Taruffo, Bologna, 1991.

DI CHIARA, Processo penale e giurisprudenza costituzionale. Itinerari, Roma, 1996.

FERRUA, Studi sul processo penale, II, Anamorfosi del processo accusatorio, Torino, 1992.

FERRUA, Garanzie del giusto processo e riforma costituzionale, em Critica dir., 1998.

GEMMA; PELLATI, Processo e verità: un’altra decisione sostanzialmente coerente della Corte, em Giurisprudenza costituzionale, 1998.

GIOSTRA, Equivoci sulla testimonianza indiretta della polizia giudiziaria e sacrificio del principio di oralità, em Giurisprudenza costituzionale, 1992.

GREVI, Sull’applicabilità del nuovo articolo 513 c.p.p. nei processi in corso, em Diritto penale e processo, 1997.

GREVI, Garanzie soggettive e garanzie oggettive nel processo penale secondo il progetto di revisione costituzionale, em Rivista italiana di diritto e procedura penale, 1998.

KUHN, La struttura delle rivoluzioni scientifiche [1962], Torino, 2009.

MADDALENA, I termini di un impegno, em Magistratura indipendente, 1992.

MADDALENA, em Il giudice per le indagini preliminari dopo cinque anni di sperimentazione, Associazione tra gli studiosi del processo penale, Atti del convegno presso l’Università di Bari – Mattinata, 23-25 settembre 1994, Milano, 1996.

MARZADURI, Una sentenza additiva molto discussa, b) il diritto al silenzio del coimputato, em Diritto penale e processo, 1998.

PEPINO, Legalità e diritti di cittadinanza nella democrazia maggioritaria, Relazione al X Congresso nazionale di Magistratura democratica, Chianciano 29 ottobre/1° novembre 1993, em Questione giustizia, 1993.

PEPINO, La posta in gioco e un primo sguardo d’insieme, em Questione giustizia (fascicolo speciale: Giustizia e Bicamerale), 1997.

PERONI, La testimonianza indiretta della polizia giudiziaria al vaglio della Corte costituzionale, em Rivista italiana di diritto e procedura penale, 1992.

SCAPARONE, Diritto al silenzio e diritto al controesame del coimputato, em Giurisprudenza costituzionale, 1998.

SIRACUSANO, Vecchi schemi e nuovi modelli per l’attuazione di un processo di parti, em Legislazione penale, 1989.

TONINI, Una sentenza additiva molto discussa, a) il diritto a confrontarsi con l’accusatore, em Diritto penale e processo, 1998.

UBERTIS, Le riforme costituzionali proposte dalla Commissione bicamerale, c) la previsione del giusto processo, em Diritto penale e processo, 1998.

VENTURA, Escussione della prova e contraddittorio, em Giurisprudenza costituzionale, 1998.

ZANON, La Corte, il legislatore ordinario e quello di revisione, ovvero del diritto all’«ultima parola» al cospetto delle decisioni d’incostituzionalità, em Giurisprudenza costituzionale, 1998.




DOI: https://doi.org/10.22197/rbdpp.v3i2.61

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Paolo Ferrua

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________

Revista Brasileira de Direito Processual Penal (RBDPP)

e-ISSN: 2525-510X - Clique aqui para metadados em OAI-PMH

   

Em parceria com | Partnership with:

Certificada e avaliada em:

SciRev     

Indexações, catálogos e diretórios | Data bases, catalogues and indexes: (ver lista completa/click here for the full list)

                                        

SCImago Journal & Country Rank